Mazda 323

desde 1985 lançamento

Reparo e operação do carro



Mazda 323

+ Introdução
+ Motores de gasolina
+ Sistema de lubrificação de motor
+ Sistema de esfriamento de motor
- Sistema de ignição
   A segurança mede durante o trabalho com o sistema eletrônico da ignição
   Cheque do rolo de ignição
   Cheque de um fio de ignição
   Cheque/ajuste do momento de ignição
   Remoção e instalação do distribuidor de ignição
   Tomadas de faísca
   Velas de MAZDA 323
+ Sistema de provisão de poder, carburador, sistema de injeção de combustível
+ Motor diesel
+ Sistema de produção dos gases cumpridos
+ União
+ Transmissão manual
+ Câmbio automático
+ Suporte de forma triangular de interrupção e sistema de direção
+ Sistema de freios
+ Rodas e pneumáticos, corpo, coloração do carro, cuidado do carro
+ Sistema de equipamento elétrico
+ Aquecedor, sistema de iluminação, dispositivos
+ Administrações e métodos de operação
+ Circuitos elétricos







Sistema de ignição

O sistema da ignição desenvolve em cada cilindro do motor em timepoint necessário uma faísca. A faísca acende a mistura de ar do combustível. No rolo de ignição com esta finalidade a tensão da bateria de 12 V vai se transformar à tensão sobre o 30000o século. O motor diesel do sistema da ignição não tem como graças ao alto ponto de ar de compressão se esquenta para que o combustível injetável se inflame.

Todos os motores de carburador e 1,4 motor de injetor l equipam-se do sistema de transistor da ignição. Os motores com o sistema da injeção do combustível equipam-se do sistema eletrônico da ignição. O sistema da ignição compõe-se de:

  • tomadas de faísca
  • fios de ignição
  • rolos de ignição
  • o distribuidor de ignição com o corredor, o sensor de Hall e o monitor

A tensão desenvolveu-se nos movimentos de rolo de ignição via o corredor do distribuidor e os fios da ignição às tomadas de faísca correspondentes. Em eletrodos de velas a faísca que acende a mistura de ar do combustível em erros de cilindros. O momento de ignição no aumento na velocidade tem de deslocar-se automaticamente na direção da primeira ignição. Este turno no sistema de transistor da ignição executa-se no distribuidor à custa de pequenos pesos centrífugos e à custa do vácuo (uma mangueira de vácuo de um tubo de entrada ao distribuidor de ignição). No sistema eletrônico da ignição o microprocessador que se constrói no distribuidor calcula o momento ótimo da ignição dependendo de velocidade e grau do carregamento do motor. Além disso, o processador fornece a paralisação da ignição. O problema do distribuidor compõe-se na distribuição de corrente de ignição na ordem de jogo entre cilindros, e por meio do sensor de Hall para emitir a informação sobre a velocidade e o momento da ignição na ignição de monitor.

Os motores com o sistema da injeção do combustível equipam-se do sistema eletrônico da ignição. O monitor une-se pela ignição com a injeção de monitor. O microprocessador faz funcionar o momento de ignição com base no campo de características que se escreve na sua memória.

No sistema paramétrico da ignição o momento ótimo da ignição depende de uma condição do motor. Os parâmetros servem-se pela velocidade, a temperatura do motor e grau de carregar (a provisão de uma válvula de borboleta e montante do ar embebido). Entende-se como o carregamento imediato do motor como há uma diferença se o carro com a velocidade de subidas de 4.000 revoluções por minuto para cima ou descer por uma montanha.

As características necessárias do sistema da ignição definem-se no decorrer do teste na estante e logo concordam-se testes na prática real assim o valor ótimo do consumo de combustível, a composição dos gases cumpridos e qualidades montam consegue-se. Os valores definidos assim escrevem-se na memória do monitor.

Durante os trabalhos no sistema da ignição é necessário observar medidas de segurança.